Utilizamos cookies para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você concorda e aceita nossa Política de Privacidade.

Se preferir, informe quais cookies você permite utilizarmos clicando aqui.

Política de Cookies

Cookies são arquivos que auxiliam no reconhecimento do seu acesso ao site. Para personalizar e melhorar sua experiência, sugerir conteúdos de acordo com seu perfil, e facilitando a navegação de forma segura. Abaixo, temos a descrição de quais são os tipos de Cookies que usamos . Caso tenha dúvidas, acesse a nossa Política de Privacidade.

Tipos de Cookies que usamos

Essenciais

Estes cookies são imprescindíveis para a operação do site. A opção de usá-los vem selecionada por padrão, pois sem eles, a navegação fica comprometida e você não consegue aproveitar algumas funcionalidades básicas que o nosso site oferece.

Escola Aberta do Terceiro Setor

Cursos

Notícias

Link copiado para área de transferência

Para fazer essa ação você precisar estar logado na plataforma.

Dentre as preocupações que pairam sobre as organizações do terceiro setor destacamos a necessidade constante de captar recursos junto a doadores, patrocinadores e financiadores e, posteriormente, praticar a prestação de contas de maneira correta e tempestiva dos valores angariados.

A captação consiste na busca, por parte das instituições, de recursos humanos, físicos, intelectuais e principalmente financeiros, junto a pessoas físicas ou pessoas jurídicas privadas, públicas, nacionais ou internacionais, para que consigam realizar os pagamentos e investimentos imprescindíveis para o cumprimento de sua missão social.

Já a prestação de contas representa o exercício da transparência, ao evidenciar de forma espontânea, ou obrigatória, o que foi realizado através da aplicação dos recursos captados, descrevendo e detalhando as ações realizadas, as metas alcançadas, o público atendido, e os gastos efetivados.

No entanto, dentro desse intervalo de obter recursos e demonstrar como e onde eles foram utilizados existe uma série de procedimentos que devem ser implementados no que diz respeito à gestão das organizações.

É aqui que entram aspectos que não podem ser deixados em segundo plano, pois de nada adianta ter como foco conseguir recursos, se não houver uma estrutura mínima disponibilizada para que a execução dos projetos ou das atividades seja realizada da forma apropriada, e em atendimento às boas regras de governança.

Exigências da prestação de contas

Além de procurar obedecer aos planos de ação, planos de trabalho, cronogramas físicos, orçamentos, e planos de aplicação, é importante também que as Organizações da Sociedade Civil  (OSCs) observem as exigências com relação aos aspectos jurídicos, administrativos, trabalhistas, tributários, fiscais, financeiros e contábeis.

Para a concretização das ações, muito provavelmente ocorrerá o recrutamento e a seleção de colaboradores, que em muitos casos terão vínculo empregatício com base na
Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. Além disso, a gestão de prestadores de serviços autônomos, voluntários e estagiários, quando for o caso, deve ser pautada nas leis que disciplinam cada uma dessas relações de trabalho.

Outro ponto importante é analisar se a organização cumpre os requisitos previstos na legislação para que possam usufruir o direito à imunidade e à isenção. Em decorrência de tais benefícios tributários, precisará cumprir obrigações fiscais, como a retenção na fonte de impostos e contribuições sobre pagamentos realizados a colaboradores e prestadores de serviços pessoa física e pessoa jurídica, quando devidos, e o respectivo recolhimento no prazo estipulado.

No âmbito tributário ainda existem as obrigações acessórias relativas à apresentação mensal ou anual de uma série de declarações e informações aos órgãos de fiscalização e controle, principalmente à Receita Federal do Brasil – RFB.

Caso os recursos captados sejam oriundos de parcerias celebradas com a administração pública (União, estados, DF e municípios), é recomendável conhecer à fundo as regras e exigências acerca da gestão financeira, no que diz respeito à utilização de uma conta bancária específica para cada parceria, à realização de pagamentos de forma eletrônica, e ao cuidado de não gerar despesas que não estejam contempladas no plano de trabalho aprovado, conforme versa a Lei nº 13.019/14 (Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil – MROSC)*.
*Essa lei passou a exigir das OSCs a utilização dos recursos públicos priorizando o alcance do resultado pactuado nos novos instrumentos jurídicos (Termos de Colaboração e Fomento).

Com relação à contabilidade, é fundamental observar e utilizar nos registros e demonstrativos contábeis as diretrizes constantes na norma específica para as entidades sem finalidade de lucros, a Interpretação Técnica Geral – ITG nº 2002 aprovada pelo Conselho Federal de Contabilidade – CFC através da Resolução nº 1.409 em 2012, que traz entre suas exigências a contabilização das gratuidades concedidas e dos serviços voluntários recebidos, inclusive pelos dirigentes, mesmo não tendo ocorrido o efetivo recebimento ou pagamento.

Nessa seara, cabe ainda destacar que a gestão contábil realizada de forma correta, além de prestar relevantes informações gerenciais sobre o patrimônio e as finanças das entidades, é um dos requisitos legais para a obtenção e manutenção de benefícios fiscais e titulações, e para a celebração de parcerias com o poder público.

Conclusão

Todas as atividades que permeiam a captação de recursos e a prestação de contas correspondem ao processo de planejamento e de controle, que quando aplicado corretamente traz como consequência a gestão eficaz e eficiente das entidades.

Desta forma, também é necessário direcionar esforços e investimentos para que os colaboradores que atuam nas áreas administrativa, financeira, fiscal e contábil estejam capacitados para atuar em conformidade com as leis e normas, a fim de garantir a legalidade dos atos e operações por eles praticados.

Até mais!

Autor: Nailton Cazumbá