O impacto da pandemia na captação de recursos

Muitas organizações da sociedade civil estão passando por dificuldades neste novo cenário mundial e precisam se adaptar o quanto antes. Para apontar novos caminhos de ação para a captação de recursos, a Escola Aberta do Terceiro Setor convidou Guilherme Sylos, Gerente de Prospecção e Parcerias do IDIS, Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, para falar sobre as Estratégias para captação de recursos em 2021.


“Em uma pesquisa realizada pela Agência do Bem, onde eles entrevistaram 800 OSCs e o resultado foi muito alarmante. Mostra que 67% das Organizações, dos respondentes, tiveram queda das arrecadações acima de 50% em suas receitas, desde o início da pandemia. E 83% preveem o risco concreto de fechar as suas atividades ou reduzir drasticamente. Isso é um impacto absurdo”, apresentou o professor voluntário da Escola Aberta do Terceiro Setor.


Por outro lado, o profissional traz um cenário mais positivo, referindo-se a pesquisa Brasil Giving Report, realizada pelo IDIS junto com Charities Aid Foundation (CAF), que demostra um lado mais otimista sobre o comportamento do doador individual brasileiro. “Essa pesquisa apresenta que 75% dos entrevistados concordam que a maioria das Organizações Sociais trabalham arduamente para alcançar os resultados positivos para aqueles que pretendem ajudar, além disso 8 em cada 10 brasileiros afirmam que as organizações da sociedade civil têm um impacto positivo no país como um todo”.


Durante a conversa, Guilherme relaciona informações das recentes pesquisas sobre doação e o impacto do Coronavírus no Terceiro Setor com a captação de recursos nas organizações e também aborda os principais aspectos da gestão, comunicação e relacionamento com os doadores para o sucesso da captação.


Guilherme ressalta um outro aspecto importante da pesquisa que diz respeito a percepção do doador sobe o papel das empresas na solução dos problemas socioambientais. “Os brasileiros olham positivamente para as empresas que apoiam as organizações sociais, 7 em cada 10 estariam mais inclinados a comprar um produto ou serviço de uma marca que doa para causas sociais ou apoia sua comunidade. Sabemos que o brasileiro doa por acreditar, e o engajamento nacional vem aumentando principalmente os jovens, o que é uma ótima notícia”, comemora.


No curso, o especialista deixa um recado: “Seja otimista, seja resiliente e aproveite esse cenário de solidariedade para captar recursos, alinhe a sua comunicação com a realidade social do país. Seja transparente e comprove resultados aos seus doadores/apoiadores e definitivamente, não tenha medo e nem vergonha de pedir”.


As recentes pesquisas sobre doação e o impacto do Coronavírus no Terceiro Setor e a relação com a captação de recursos, cultura de doação, relacionamento de fidelização do doador, comunicação da organização, impacto das doações, captação com empresas, gestão e profissionalização das OSC’s e planejamento e captação de recursos em 2021 são os tópicos analisados pelo profissional neste bate-papo. O conteúdo completo está disponível on-line na plataforma da Escola Aberta do Terceiro Setor e é 100% gratuito. Acesse agora: ead.escolaaberta3setor.org.br e faça a sua inscrição.