Filantropia retorna à sociedade quase dez vezes o valor da imunidade tributária recebida

São 27.384 instituições filantrópicas atuantes no Brasil. Entre elas, estão hospitais, ambulatórios, escolas, universidades, centros de acolhimento, lares de idosos e associações de defesa de direitos sociais.


Em 2020, coube ao setor de filantropia a tarefa de realizar 230 milhões de procedimentos hospitalares; conceder quase 800 mil bolsas de estudo na Educação Básica e no Ensino Superior e disponibilizar mais de 625 mil vagas para pessoas em situação de alta vulnerabilidade social. 


Os dados fazem parte da terceira edição da pesquisa “A contrapartida da Filantropia para o Brasil”, uma iniciativa do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF). 


Conduzido pela DOM Strategy Partners e auditado pela Audisa, o estudo apresenta os aspectos quantitativos e qualitativos da atuação das instituições filantrópicas no Brasil em 2020, tendo como base de dados os números oficiais da Receita Federal e dos Ministérios da Cidadania, Saúde e Educação.


Considerando as informações apresentadas para cada uma das áreas de atuação da filantropia – Saúde, Educação e Assistência Social – a contrapartida tangível e intangível das instituições filantrópicas certificadas pelo CEBAS, o valor retornado à sociedade é de aproximadamente R$ 139 bilhões: 9,79 vezes maior que o valor de R$ 14 bilhões da imunidade tributária recebida naquele ano.


Impacto positivo na saúde de milhões de brasileiros


Para os cidadãos de 861 cidades brasileiras, o único hospital disponível para atender a população é de uma instituição filantrópica de saúde. 


Em 2020, foram realizados 230 milhões de atendimentos hospitalares em instituições filantrópicas de saúde, presentes em 1.282 dos 5.570 municípios, alcançando 127 milhões de pessoas. 


Transformação social por meio da educação


Na educação, foram ofertadas mais de 778 mil bolsas de estudo: 355 mil para a educação básica, e 423 mil para o ensino superior. O processo seletivo segue os critérios do Ministério da Educação, como o perfil socioeconômico dos estudantes. 


No aspecto qualitativo da pesquisa, destaque para o desempenho dos alunos das escolas filantrópicas no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2020: 17% maior que a nota dos demais estudantes da educação básica. 


Assistência Social


Segundo o Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social (CNEAS), as instituições filantrópicas representam  40% do total de entidades de assistência social no Brasil. 


O trabalho 100% gratuito das instituições se concentra nos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Proteção Básica), Centro-Dia de Referência para Pessoas com Deficiência (Proteção Social Especial de Média Complexidade) e Serviços de Acolhimento e Serviços de Família Acolhedora para Crianças e Adolescentes (Proteção Social Especial de Alta Complexidade). 


De acordo com o Censo do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), um total de 625 mil vagas de atendimento foram ofertadas em 2019. Em 2020, a capacidade de oferta de vagas de atendimento das instituições filantrópicas foi de 1,84 na comparação com as demais entidades que atuam na rede socioassistencial privada do SUAS. 


Acesso aos dados


A pesquisa pode ser acessada no site do FONIF. Os dados estão abertos ao público em um painel interativo, em que é possível filtrar as informações por cidade, estado ou tipo de serviço oferecido. 


“Nosso objetivo é que qualquer pessoa possa acessar a pesquisa de maneira independente, para conhecimento e acompanhamento do setor filantrópico”, complementa Custódio Pereira. 


Você que mora em São Paulo, ou está de passagem pela cidade, também está convidado a participar do evento que apresentará em detalhes os dados da pesquisa. O encontro será no dia 18/08, no Auditório do CIEE  – Rua Tabapuã, 445 – Itaim Bibi, de 8h30 às 11h.


Confira a programação clicando aqui.


FONTE: Razões para Acreditar – texto RAFAEL MELO