ESG, RSC e ISP: o que significa e como as siglas se relacionam

Com o mercado atento às métricas de sustentabilidade e impacto socioeconômico das empresas privadas, é importante saber o que cada conceito propõe


Com o avanço da discussão sobre ESG (em português Ambiental, Social e Governança), seus limites e abrangência começam a se definir com mais clareza. Há dúvidas sobre até onde o conceito influencia e se relaciona com outros que já vimos por aí, como a Responsabilidade Social Corporativa (RSC) e o Investimento Social Privado (ISP), principalmente no que diz respeito às pautas relacionadas ao “S”.

Nesse artigo, você encontrará definições e conceitos sobre as três siglas e como elas fazem parte de um conceito mais amplo que todos os outros: a Sustentabilidade.

Vamos lá?

Sustentabilidade

A Sustentabilidade é o conceito mais amplo de todos quando se trata de olhar atentamente para as relações socioeconômicas e ambientais entre os diferentes setores (poder público, sociedade civil e iniciativa privada).


O tema é debatido desde a década de 1960, quando começou a aparecer a “suspeita” de que a exploração do meio ambiente pela atividade industrial não estava compatível com a finitude dos recursos naturais. As questões sociais e a intervenção humana também não demoraram a entrar na pauta, afinal, a questão da dignidade do homem já era um debate antigo.


A sustentabilidade compreende as relações na sociedade e suas demandas. Indivíduos, empresas, governos e sociedade civil passam a mudar sua mentalidade, visando equilíbrio entre economia, sociedade e meio ambiente.


Este pensamento, por sua vez, influencia mudanças de comportamento e, no caso das empresas, pautará as prioridades de Responsabilidade Social Corporativa (RSC), Investimento Social Privado (ISP) e, por fim, o tão falado ESG.


Um exemplo de sustentabilidade em sentido amplo são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma agenda multisetorial em que todos podem contribuir para o avanço das metas e indicadores estabelecidos.

Fonte: https://www.ufmg.br/espacodoconhecimento/parcerias-e-meios-de-implementacao/

Responsabilidade Social Corporativa e o Investimento Social Privado


Por sua vez, a RSC e o ISP são conceitos que dizem respeito principalmente às relações sociais, em especial entre a iniciativa privada e sociedade civil. Se, por um lado, a sustentabilidade surge a partir de uma constatação acerca das relações entre a atividade humana e o ecossistema global, a RSC e o ISP surgem como reflexo de um sistema econômico globalizado, onde a iniciativa privada passa a assumir, de forma organizada e estratégica, pautas socioambientais que antes eram em sua maioria delegadas unicamente ao Estado.


A Responsabilidade Social Corporativa considera a empresa corresponsável pelo contexto socioambiental em que está inserida e sugere a atuação de forma intencional em duas dimensões:

  • Dimensão externa: mitigação dos impactos negativos gerados pela sua atividade principal. Ou seja, a empresa minimiza ou anula os efeitos colaterais externos que a sua atividade gera. Por exemplo, compensar a emissão de gases de efeito estufa de uma fábrica por meio do plantio de árvores.

Aqui é importante notar que cada empresa possui atividades e efeitos colaterais específicos. Portanto, as ações de responsabilidade social corporativa podem variar de acordo com o tipo de empresa e atividade econômica.

  • Dimensão interna: prevê a busca da empresa por uma relação sustentável com seus colaboradores, fornecedores e clientes. Por exemplo, questões de diversidade e inclusão, saúde mental, remuneração, política de contratação de fornecedores, características do produto, entre outros.

Se por um lado a RSC diz respeito à qualidade da relação da empresa com diversos públicos, pautada por princípios de ética e transparência, o Investimento Social Privado (ISP), diz respeito, especificamente, à relação da empresa com o público ‘comunidade’. Entendemos o ISP como a alocação voluntária e estratégica de recursos privados, sejam eles financeiros, em espécie, humanos, técnicos ou gerenciais para o benefício público. Para promover a transformação social, esse investimento precisa ser feito com planejamento estratégico ancorado em dados, com indicadores pré-definidos, execução cuidadosa, monitoramento dos resultados e avaliação do seu impacto.


Por exemplo, uma empresa que oferece serviços pro bono para organizações sociais; uma empresa de tecnologia que oferece licenças gratuitas de sua plataforma para pessoas em vulnerabilidade social; ou uma empresa que realiza doações financeiras para organizações da sociedade civil implementarem projetos ou se fortalecerem institucionalmente, e assim por diante.


Qual a relação dos conceitos com ESG?


Pois bem, no ESG, falamos das relações entre a iniciativa privada e o mercado financeiro. Novamente, com uma economia altamente globalizada e o fluxo de informações cada vez mais dinâmico, vemos o mercado financeiro exercendo cada vez mais influência sobre as decisões corporativas.


Isso porque investidores institucionais que são compostos por fundos de pensão, soberanos, seguradoras e grandes gestores de fundos, e que representam grande parte do capital alocado em empresas de capital aberto, apresentam uma preocupação com os riscos e geração de valor destes ativos no longo prazo, sobretudo os riscos não financeiros quando falamos de ESG.


Ao mesmo tempo, a maior rapidez de acesso às informações faz com que consumidores e sociedade tomem conhecimento cada vez mais rápido sobre o comportamento das marcas que consomem. Esse é o ponto de virada: o consumidor passa a se atentar às ações socioambientais das empresas antes de consumir.


E é neste contexto que o posicionamento e as ações socioambientais e de governança das empresas passam a entrar na conta de risco e oportunidade dos investidores.

A agenda ESG aproxima o mercado financeiro ao debate sobre sustentabilidade. Ao mesmo tempo, passa a considerar em suas decisões os riscos que estas pautas podem representar ao valor e à perenidade das empresas.


Esse movimento faz com que investidores demandem informações precisas e mensuráveis sobre como a marca se posiciona com relação a temas emergentes nos tópicos ambientais, sociais e de governança.


O que é analisado pelos investimentos ESG

Por se tratar da perspectiva do mercado financeiro sobre questões de sustentabilidade empresarial, o objetivo principal segue sendo a geração de valor. No entanto, os acionistas e financiadores consideram os aspectos não financeiros (como as métricas ESG) como um fator importante na tomada de decisão de investimentos.


Sendo assim, para que o investimento considere os aspectos ESG, existem dois principais requisitos que a empresa deve cumprir:

  • Transparência na mensuração de desempenho dos eixos ESG;

  • Materialidade

Ou seja, todos os dados precisam ser divulgados de acordo com padrões internacionais de transparência empresarial (existem vários, como o GRI, SASB, TCFD, CDSB). Pelo fato destes padrões de relatórios ainda não estarem totalmente consolidados no mercado, atualmente cada empresa escolhe o sistema que mais faz sentido para sua atividade. No Brasil, o sistema mais adotado atualmente é o GRI.


Já para a materialidade, é necessário que a avaliação seja bastante fiel ao que ocorre na realidade. É comum que empresas de grande porte contratem agentes externos (as auditorias) justamente para comprovar que determinadas mensurações são reais – ou materiais. E aqui, vale a mesma ideia explicada em RSC, no sentido de cada empresa possuir uma atividade específica e, por sua vez, externalidades (efeitos colaterais) específicas.


Portanto, cada empresa possui questões de materialidade próprias, para medir de fato o que importa considerando sua atividade principal. Por exemplo, uma empresa de mineração priorizará aspectos ambientais em detrimento de questões de inclusão digital, algo que se aplicaria melhor para empresas de tecnologia e mídia social.


De forma simplificada, o ESG de maneira geral se trata de analisar os riscos não financeiros e geração de valor no longo prazo como a mensuração das práticas de Responsabilidade Social Corporativa e Investimento Social Privado de uma empresa.


Diferença conceitual entre ESG, RSC, ISP e Sustentabilidade


De acordo com as definições apontadas, há diferentes patamares de influência: de forma global, a maior consciência acerca dos temas socioambientais são representados pela Sustentabilidade. Na iniciativa privada, a RSC e o ISP (cada um com suas especificidades) representam a forma como cada empresa endereça os temas socioambientais da sustentabilidade. E o ESG, seria o olhar do mercado financeiro para a forma como os temas socioambientais são encarados pelas empresas.


Para facilitar, preparamos um resumo para compreensão:

  • Sustentabilidade: em seu sentido amplo, a sustentabilidade significa o desenvolvimento da sociedade, economia e meio ambiente visando atender às necessidades do presente, ao mesmo tempo que não compromete a capacidade das próximas gerações de suprir as próprias necessidades. Trata-se de uma premissa que implica na tomada de decisão de organizações (empresas, setor público e terceiro setor) e indivíduos.

  • Responsabilidade Social Corporativa: diz respeito aos processos de gestão empresarial, pautados por princípios de ética e transparência, de tal maneira que a torna corresponsável pelo contexto socioambiental em que está inserida.

  • Investimento Social Privado: é a alocação voluntária e estratégica de recursos privados, sejam eles financeiros, em espécie, humanos, técnicos ou gerenciais, para o benefício público. Em outras palavras, pode ser definido de maneira simplificada como: “filantropia com estratégia”.

  • ESG: entendimento pelo mercado financeiro que aspectos não financeiros representam riscos/oportunidades para geração de valor das empresas. Trata-se da avaliação e publicação (report) do desempenho das práticas de sustentabilidade empresarial nos eixos: Governança, Social e Meio Ambiente.

Conheça as frentes de atuação do IDIS.

NÃO É MAIS POSSÍVEL IGNORAR OS IMPACTOS CAUSADOS


]O ESG surge em um momento em que é inevitável, seja pelo contexto histórico, seja pela amplitude de sua influência, que o tema da Sustentabilidade siga ignorado pelo mercado financeiro.


Assim, surgem diversos desafios, e um deles é como traduzir aos investidores as informações adequadas sobre as práticas de RSC e ISP das empresas. Se o impacto social e sua mensuração tornam-se importantes ao mercado financeiro por meio do ESG, as práticas e o histórico do ISP e da RSC são essenciais para apoiá-lo neste desafio.


Quer saber mais sobre o tema? Acesse a Nota técnica “ESG e o S brasileiro”.


Fonte: IDIS