Como integrar o voluntário

Já está disponível na plataforma da Escola Aberta do Terceiro Setor o curso Como Planejar e Desenvolver um Programa de Voluntariado. O conteúdo especial conta com a curadoria de Silvia Naccache, referência no setor, além da participação de 18 convidados, entre especialistas e organizações do Brasil.


No módulo 4, as especialistas Larissa Guimarães, psicóloga e gerente de Promoção do Voluntariado na Organização das Voluntárias de Goiás, e Elaine Macedo, do Centro de Valorização da Vida – CVV, falam sobre como integrar o voluntário nas Organizações da Sociedade Civil.


Larissa ressalta que é essencial denominar um responsável pela comunicação com o voluntário. “Para esse processo de integração dos voluntários é necessário que tenha pelo menos uma pessoa de referência para lidar com os novatos e também no processo de execução das atividades diárias”, enfatiza. A especialista analisa aspectos importantes para o sucesso do processo, dando destaque para o acolhimento e entrevista, alinhamento das expectativas, regulamentação e documentação, entendimento da Lei do Voluntariado, direitos e deveres, e por fim, a integração do voluntário. “Para a integração, precisamos envolver e dizer para a pessoa como ela é importante, não só verbalmente, mas a incluindo nas atividades do dia a dia”, destaca Larissa.


Elaine Macedo, do Centro de Valorização da Vida, compartilha a experiência do CVV no processo de integração do voluntário, explicando também como tratam da legislação e dos direitos e deveres do voluntário. “No CVV, o voluntário começa o curso do programa de seleção, conhece a parte introdutória, reflete sobre a sociedade, necessidade do voluntariado, e ainda sobre o sofrimento. Os futuros voluntários passam por treinamentos práticos de 9 a 12 semanas, dependendo da evolução do grupo. A partir daí, ingressam na aula administrativa, no momento de assinar o termo de adesão, preencher a ficha de voluntariado, conhecer as instalações físicas do espaço em que ele irá atuar, as ferramentas, a plataforma, enfim estará em contato mais íntimo e integrado com a instituição. Após esse processo, o voluntário passa pelo período probatório que dura de 90 a 120 dias. Trata-se de um período de treinamento com um pequeno grupo em que irá se aprimorar, entender na prática, colocando a mão na massa e é aí que as dúvidas começam a surgir. Neste espaço ele consegue esclarecer e entender melhor o processo com o grupo e também com os coordenadores”, finaliza Elaine.


O curso aborda também o planejamento e a definição dos objetivos do Programa de Voluntariado, como recrutar, fidelizar e reconhecer seu trabalho na organização, além de trazer uma reflexão importante sobre o valor do voluntário e os caminhos para o futuro do voluntariado no cenário atual. Para acessar o conteúdo completo do curso Como Planejar e Desenvolver um Programa de Voluntariado, clique aqui.